28
maio
11

Quequiá, velhinho?!?!

Óquei, eu entendi. Entramos numa dobra temporal, abriu-se um buraco no espaço-tempo e fomos parar em 1960-70. É isso.

Boston, 22 de outubro de 1967.

São Paulo, 28 de maio de 2011.

Direita e esquerda são duas facções imiscíveis: o pensamento e as idéias das pessoas devem estar restritos e engarrafados sob rótulos distintos. Não reflita, não argumente, se você não está conosco, está contra nós. Jovens comunistas barbudinhos que moram no DCE lutam contra velhos capitalistas engravatados. Feministas não depilam o sovaco e a bancada evangélico-facista do Congresso Nacional é quem manda nessa bagaça.

Ou é mesmo uma puta falta de originalidade. De gente que pensa novo, que pensa diferente, que faz as coisas de formas diferentes. Resumindo: gente criativa, não trabalhamos.

Porque, né? Fazer de novo e de novo sempre a mesma coisa… Cara, isso é chato. É passado. É last week… BOOOOOOORING.

Dizia minha avó que quem tem o mesmo problema duas vezes ou é burro ou gosta de sofrer. Somos um bando de burros. E gostamos de sofrer. E pior, nos orgulhamos disso.

Ou sou eu que tô de mau humor.

18
dez
10

#AFK: De volta ao mundo

Não. Não morri. Só enjoei, mas já tô voltando. Sacomé, férias, as noites são longas e o tédio é muito…

(É o terceito post, só hoje, que eu começo com essa frase. Estou começando a achar de uma falta de originalidade quase patológica. Anyway.)

Sim, eu sei que eu perdi a chance de comentar os jogos da copa, a eleição do Tiririca e o show do Paul McCartney. O que se há de fazer, a vida é dura. Coisas urgentes sempre estão na frente das coisas importantes. Aprendi isso no Facebook hoje.

Falando em redes sociais, cheguei à conclusão de que eu sou meio viciada nesse troço. Voltei ao Orkut esses tempos, pra uma comunidade que eu quase que fundei em 2004, e ando orkutista praticante. Facebook, então, nem se fala: comecei na fazendinha e agora ando dando aulas sobre formação de grupos. Não que eu seja uma pessoa anti-social no mundo real, muito pelo contrário. Só essa semana fui a 5 comemorações de fim de ano e juro que me diverti à vera em todas.

Só paralelizando o assunto, tenho problemas com essa dicotomia real/virtual. Quéquiá!??! Quer dizer que a internet não existe??? Acho estranhíssimo. Dias atrás me encontrei – de verdade – com uma pessoa que conheci pelo Twitter. Foi fenomenal, foi como se a gente se conhecesse há décadas. A gente sentou pra jantar e ficou três horas batendo papo! (Pare de maldar, foi a @SibeleFausto que veio prum congresso na UFSCar, ôw!)

Contabilizando, ganhei muito mais do que o tempo que eu perdi em frente ao computador. Aprendi umas coisas, conheci um monte de gente bacana, essas coisas que eu faria em qualquer curso de inglês no centro comunitário. Só que não tive que pagar a mensalidade, nem pegar o busão. Gente que fica mimizando que a internê vai acabar com o contato social entre as pessoas nunca fez nenhum esforcinho pra conversar DE VERDADE com ninguém. Enfim.

É isso. Tô de volta. (Por enquanto.)

22
abr
10

Prêmio Bê Neviani: porque não basta divulgar, tem que dispersar!

Depois do recente anúncio feito pela vetusta Biblioteca do Congresso (Library of Congress), comunicando que arquivará todas as mensagens públicas postadas no Twitter desde o início do serviço de microblog, não restam dúvidas de que esta mídia social veio para ficar.

Segundo os cofundadores Bizz Stone e Evan Williams, hoje o Twitter tem 105 milhões de usuários registrados, e 300 mil novos usuários ingressam no serviço a cada dia. Seu crescimento médio foi de 1.500% por ano, desde a fundação da “Twitter Inc” em março de 2006. O serviço atende a 19 bilhões de buscas por mês. Apenas comparando, o Google atende a 90 bilhões no mesmo período.

Não se pode negar – o Twitter é uma ferramenta 2.0 por excelência: seu conteúdo é gerado e compartilhado pelos próprios usuários. A dinâmica do microblog funda-se primordialmente na atuação dos tuiteiros, que seguindo e sendo seguidos, dispersam conteúdos virtuais.

A ação de tuiteiros que dispersam conteúdos relevantes no universo tuitiano merece destaque e deve ser aplaudida. Foi essa premissa que inspirou a criação do Prêmio Bê Neviani, reconhecendo a incrível capacidade de dispersão de tuítes com conteúdo diversificado, como cultura, ciência, tecnologia, notícias e muito mais, do perfil @Be_neviani.

Nunca houve uma tuiteira como @BeNeviani!!

Hoje, dia 22 de abril de 2010, estamos lançando o
Prêmio Bê Neviani: porque não basta divulgar, tem que dispersar

Regulamento:

– O Prêmio Bê Neviani é aberto a todos os tuiteiros que tenham blogues de conteúdo informativo: ciências, cultura (literatura, cinema, artes, fotografia, música, etc), filosofia, notícias, dicas e assemelhados.

– Os blogues participantes da campanha tuitarão, no período de 23 de abril de 2010 a 23 de maio de 2010 links para seus posts, publicados em qualquer data e com qualquer temática, obrigatoriamente usando a hashtag #PremioBeNeviani e o encurtador de links Bit.ly.

– No período de vigência da campanha, os retuítes (RTs) que os links desses posts receberem serão computados para a apuração de dois ganhadores, um em cada uma das duas seguintes categorias:

Categoria 1: blogueiros – o vencedor será o blogueiro cujo post recebeu mais RTs. O prêmio dessa categoria será o livro “Criação Imperfeita”, de Marcelo Gleiser.

Categoria 2: tuiteiros – o vencedor será o tuiteiro que deu RTs em qualquer dos tuítes postados durante a vigência da campanha. Essa categoria terá sua apuração por sorteio. O prêmio para essa categoria será o livro “Além de Darwin”, de Reinaldo José Lopes.

O anúncio do prêmio será em 30 de maio de 2010, pelo Twitter.

Para participar, envie um tuíte para as administradoras @sibelefausto ou @dra_luluzita, ou então comente aqui, que entraremos em contato.

Abaixo, segue a relação dos blogues e tuiteiros participantes. À medida que mais blogueiros aderirem a essa campanha, essa listagem será atualizada.

Blog – Blogueiro-tuiteiro

100nexos @kenmori

Amiga Jane @lacybarca

Blog Bastos @bastoslab

CeticismoAberto @kenmori

Chapéu, Chicote e Carbono 14 @reinaldojlopes

Ciência na Mídia @ciencianamidia

Discutindo Ecologia @brenoalves e @luizbento

Dicas Caseiras para quem mora só @uoleo

Ecce Medicus @Karl_Ecce_Med

Efeito Azaron @efeitoazaron

Ideias de Fora @IdeiasdeFora

Joey Salgado… mas bem temperado @joeysalgado

Karapanã @alesscar

Maquiagem Baratinha @aninhaarantes

Meio de Cultura @samir_elian

Minha Literatura Agora @jamespenido

O Amigo de Wigner @LFelipeB

O Divã de Einsten @aninhaarantes

O que todo mundo quer @desireelaa

Química Viva @quiprona

Quiprona @quiprona

Rabiscos @skrol

Tage des Glücks @nataliadorr

Tateando Amarras @eltonvalente

Terreno Baldio @lacybarca

Twiterrorismo @aninhaarantes

Uma Malla pelo Mundo @luciamalla

Uôleo @uoleo

Bala Mágica @balamagica

Ciência ao Natural @CienAoNatural

Diário de um Gordo @Edgard_

Psiquiatria e Sociedade @danielmbarros

The Strange Loop @josegallucci

Toda Cultura à Nossa Volta @fabiocequinel

Tuka Scaletti @TukaScaletti

XisXis @isisrnd

42 @uoleo

Anderson Arndt @anderarndt

Biblioteca Médica Virtual @bibliovirtual

Blog do Tom Zé @tomzemusic

Eco Desenvolvimento

@clauchow

Massa Crítica @luisbrudna

n-Dimensional @renanpicoreti

Rainha Vermelha @oatila

RNAm @Rafael_RNAm e @ciensinando

Scienceblogs Brasil @scienceblogsbr

Seres Coletivos @gisellezamboni

Techboogie @gpavoni

Você que é biólogo

@tagomago_rj

Biocientista @biocientista @Weruska

Blog do C.F.C. @carloscollares

Brontossauros no meu jardim @carloshotta

Física na Veia @dulcidio

Ibrahim Cesar @ibrahimcesar

Meio Digital @pedropenido

O Silêncio Nu @dariofduarte

E uma menção especial ao blog Never Asked Questions, do @rmtakata, que embora não esteja concorrendo, publicou um ótimo perfil de @Be_neviani: http://bit.ly/d8i5qD

Update 04/maio/2010:
Por motivos alheios à nossa vontade, o Premio Bê Neviani teve seu período de vigência reduzido para 15 dias, do dia 23 de abril a 07 de maio de 2010.
Os vencedores serão anunciados via Twitter em 16 de maio de 2010, domingo.
20
abr
10

Sobre gentes…

E sobre isso, quanta coisa eu não sei. Não sei, por exemplo, por que – ó céus! – os homens preferem as loiras. Não entendo como eles conseguem achar lindo de morrer ficar com uma adolescentezinha pós-pubescente e sem nada no miolo. Absolutamente não atino o que eles querem que a gente faça. Sim, porque se você liga uns dois ou três dias depois, eles acham que você tá pegando no pé, que é grudenta, e por aí vai. E se você não liga, eles acham que você sumiu e não quer nada com eles. “#Como assim, Bial?”

Só ilustrando o caso. E olha que o caso em questão foi um longo caso. Moreno, ombrão, bocão, tatuado, rockeiro, uma delícia. Saímos várias vezes. Várias aventuras, umas ótimas, algumas erradas. Alguns cafés, algumas sessões da tarde e muita conversa. Porque homem que conversa é tudo nessa vida! E sempre acabávamos entrando em um acordo, bom para ambas as partes, de que não queríamos compromissos eternos, que curtir o que rolava era bom, que se prender a uma só pessoa parecia estranho, anti-natural, monótono. E sempre concordamos que a gente se dava tão bem, na cama e no café, na balada e no motel. E filosofamos sobre a condição feminina (“as mulheres têm que exigir seu prazer!”) e sobre as angústias masculinas (“os homens não podem mais querer uma santa-esposinha-do-lar!”). E falávamos o tempo todo, e o sexo era óóóóótimo. Afh! Um ano de muita conversa, sexo da lata e alguma diversão. E, obviamente, no começo de março ele sumiu. Desapareceu sem deixar rastro. Eu liguei, não atendeu. Mandei torpedo, não respondeu. Montei plantão no MSN, não entrou. Deixei recado no Orkut, não leu. Desisti. Se quisesse falar comigo, com certeza teria me encontrado.

Semana passada foi aniversário dele. Eu, como – além de ser uma lady – acho que manter um bom relacionamento póstumo sempre garante um flashback, resolvi entrar no Orkut dele pra deixar um cumprimentinho de aniversário. E qual não foi minha surpresa quando dou de cara com um “namorando” no perfil do cidadão, bem naquele lugar em que ele sempre se recusou a colocar qualquer rótulo. Parei! Fiquei passada a ferro, engomada e dobrada. Não fiquei bege que é last week: fiquei nude! Um choque. Esperaria isso de qualquer um dos outros PAs manézinhos que eu tenho, menos dele, pô! Resolvi investigar.

E é claro, o melhor lugar pra investigar era ali mesmo, no Orkut. Na verdade eu sempre achei que o Orkut servia pra isso mesmo: investigar a vida alheia. Um prato cheio pra se colocar seu lado Sherlock pra fora e mandar ver rastreando tudinho sobre a pessoa-alvo. E dessa vez eu nem lancei mão do meu “perfil-espião”, sabe? Aquele que você faz única e exclusivamente pra poder futucar o perfil dos outros? Então, não. Fui no meu mesmo, e deixando rastro. Lógico que foi muito fácil descobrir quem era a dita cuja. Ela estava lá, onipresente em dúzias de depoimentos e milhares de recados (os antigos testimonial e scrap, respectivamente) cheios de carinho, afeto, melação e miguxice. Tudo o que ele sempre dizia que o-d-i-a-v-a.

Entrei no perfil da santa. Carinha de santa. Jeitinho de santa. Deve ser daquelas que mesmo dando a bunda, continuam exalando meiguice. E as comunidades? Sim, porque em se tratando de traçar um perfil psicológico da vítima, nada como dar uma boa analisada nas comunidades. “Fidelidade acima de tudo”, “Sou Pra Casar!”, “Hopi Hari: eu fui”, “Anti-Cotas Raciais”, “Quero carinho”, “Selton Mello Oficial”, “Eu quero Um Amor Pra Vida Toda”… Precisa continuar? Ou você tem o estômago forte e agüenta mais dezoito páginas de comunidades completamente descerebradas? Resumo da ópera: a típica patyzinha bunda-mole, sem carreira, sem ambições, sem objetivo na vida que não seja uma cozinha modular da Bom Tempo. E que tá achando que encontrou o príncipe encantado! A moça é do tipo que, minutos depois de eu ter deixado o meu singelo “parabéns, tudo de bom” no scrapbook dele, estava lá marcadinha no pega-xereta do meu perfil. Menina esperta não deixa passar uma! Uhú!

Na verdade, apesar de sentir muita raiva dela por ter o que eu não tenho mais, eu meio que tenho pena. É um sentimento esquizofrênico. Tenho vontade de estrangular esse tipo de mulherzinha mimimi, certinha e submissa. E por outro lado, tenho dó, coitada. Vai viver a vida fazendo o que os outros dizem pra ela fazer. Vai chegar aos 45 cheia de plásticas e de filhos e sem ter vivido nada de verdadeiro. Mas que eu tenho vontade de matar com uma agulha de crochê, ah! Isso eu tenho mesmo! Porque é esse tipo de mulherzinha que fica com os caras mais interessantes! Os mais promissores! Os que eu punha mais fé!

Tá certo. Se um cara supostamente bacana se prende a uma guria dessas, ele não devia ser tão supostamente bacana assim, certo? E eu sei lá! Vai que era? Tinha potencial, pelo menos. Mas, no frigir dos ovos, o que me resta é chorar na cama que é lugar quente, não é mesmo!?

Affh! Nobody deserves.

 

ATUALIZAÇÃO: O status dele mudou para – pasme! – casado. Com ela. Claro.

19
abr
10

Grandes Mistérios da Humanidade

Encafifada com uma coisa…

Por que, raios, as fabriquetas de alimentos fazem porções individuais para matar a gente de fome, e porções familiares pra deixar todo mundo empanzinado de comida??
Sério, tô há três dias jantando um maldito Sopão Maggi, cuja embalagem diz claramente “Rende 6 porções”… Já comi umas oito e o que sobrou na panela ainda dá pra alimentar uma família inteira de somalianos!!!


Ai, você me pergunta: “Por que não compra aquelas sopinhas individuais?”

Porque saporra dá quatro colheradas de uma sopa rala que nem bigode de emo, catzo!! E daí eu tomo duas, três… e daí que eu morro de overdose de sódio e conservantes, né?!?!


Outro povo que num acerta a conta é o das lasanhas congeladas. Aquela da Sadia (a única potável que eu já experimentei) diz que serve duas porções. Mentira… Metade não dá um almoço, e comer a bicha toda vai fazer você jiboiar a tarde inteira, com a barriguinha estufada!

Agora, o que me deixa ensandecida é a porção de Yakult!! Cara, aquilo devia vir de LITRO!!!! Eu sei, eu sei… a porção vem correta pra um dia de lactobacilos vivos e tal e coisa… Mas é TÃO BOOOOOM!!!!

Alguém explica a lógica???

17
abr
10

Cupcake #Fail!

Pois é… não tive nem coragem de fotografar! Fiasco total… Meu forno não dá conta… Vou ter que mandar consertar a borrachinha da porta do forno, porque ela caiu e acho que por isso não “segura” direito o calor…

Os bichinho ficaram todos murchinhos e solados… O cachorro da vizinha, pelo menos, adorou! HAHAHAHA…

26
mar
10

Cupcake

Comprei uma forma pra fazer cupcakes… Já baixei um milhão de receitas… Vou tentar, se meu forno ajudar…




A autora…

Quem sou eu…

Psicóloga, acadêmica, tuiteira viciada e blogueira iniciante.

Twitter


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.